Glass Smoking pipe by Rini Vanchhawng

A maturação antes da escrita

Há escritores que maturam primeiro, para depois sentar e escrever. Segundo depoentes em geral, há benefícios e malefícios, e talvez aqui dependa de ponto de vista pessoal. Os benefícios passam por:

 

  • Elaborar conteúdos que pensamos e sentimos por um tempo maior sem escrever ajuda a digerir prós e contras sobre alguma coisa importante.
  • Esperar um tempo para escrever enquanto se matura sobre as próprias vivências e conflitos íntimos leva o escritor a um patamar acima na hora de escrever, pois as ideias tendem a se encaixar com mais facilidade no espírito criativo.
  • Pode aumentar a inspiração de escrever visto que se passou um tempo sem exercer aquilo que, para o escritor, é ar que se respira e é como se ficasse numa incubadora durante o período de maturação.

Já quanto aos "malefícios" enumeramos:

  • Com maturação, o escritor coloca-se numa posição mais passiva e de observador do mundo e das coisas, podendo se sentir privado daquilo que mais gosta: escrever.
  • Sentimento de vazio. Falta alguma coisa muito vital, uma sensação de impotência pode surgir, talvez porque criar e escrever são, de fato, uma combinação estranhamente erótica.
  • Aumento de conflito íntimo podendo levar à tristeza mais ou menos profunda; alguns podem experimentar depressões, instabilidades emocionais, explosões de raiva, entre outras coisas.

Mas não se deve ver pela dramatização do que esses prós e contras representam, mas pela ótica suave do filtro do distanciamento (brechtiano?), porque escrever, de todo modo, é maturar, é repensar, é reescrever e transformar o ato do pensamento em ato físico propriamente.

Maturar desenvolve o ato de pensar

Parece lógico o título, mas quem sabe seja até mais: uma lógica matemática de que maturar é a aritmética da experiência anímica, já que a alma do escritor que matura situações, vivências e experiências por um tempo antes de escrever consegue somar prós e contras que, num processo corrente de pensamento e esçrita, pode tornar ainda muito mais relevante o vivido, o experimentado, o maturado enfim.

Mas a vantagem mesmo na maturacão é observar o mundo de camarote. Com aquele olhar que todo escritor tem para com a realidade: um olhar de ternura envolvente que é o próprio ato de generosidade de viver intensa e profundamente as coisas de sua observação, pensamentos r emoções que transbordam para o papel e se transformam num ato de doação sem dúvida.